Páginas

terça-feira, 15 de março de 2011

NÃO À CHAPINHA!


Hoje vou contar a complicada (e grande) história dos meus cabelos.
Bom, quando eu era pequena meu cabelo era bem liso. Isso durou até mais ou menos os meus 5 anos, quando ele começou a ficar meio estranho (afinal, estava passando por uma mudança) e então se tornou cacheado. Mas é bem cacheado meeesmo. Aí eu mudei de colégio. Eu era muito pequena, e quando a gente é pequeno não existe esse negócio de julgar pela aparência, como a maioria das pessoas maiores fazem. (E com maiores, eu quero dizer pré-adolescentes, adolescentes e adultos.) Mas, na minha quarta série, eu sofri bullying por causa do meu cabelo cacheado. Como eu não tinha suporte algum (tipo, hoje eu não me importo com o que falam, porque já amadureci, mas antes...), me sentia muito ofendida e tinha vergonha do meu cabelo. Por isso eu ia todos os dias pra aula com o cabelo preso num rabo de cavalo. E ai de mim, se eu soltasse! Tinha que aguentar "ai, Yara, você não penteia esse cabelo, não?" e "gente, olha que cabelo de bombril que ela tem!". Era horrível. Mas então, no ano seguinte, eu mudei de colégio, e pra minha sorte, fui estudar em um lugar onde todos se aceitam como são, e aí eu me descobri e me aceitei. Ia de cabelos soltos todos os dias, e adivinha? Meus amigos só elogiavam meu cabelo! Foi a partir daí que eu comecei a não me importar mais com as críticas alheias.
Bom, mas eu comecei a dar relaxamento no cabelo, apenas na raiz, pra que o volume ficasse só do meio pras pontas do cabelo.  Dava de 6 em 6 meses. 
Daí, em agosto de 2009 (ou setembro, não lembro direito), eu dei um relaxamento que foi tão forte que uma parte do meu cabelo caiu - o que é chamado de corte químico. Mas calma, eu não fiquei careca não! Haha. Depois disso eu e minha mãe ficamos meio traumatizadas e decidimos não fazer mais essa química.
Em dezembro do mesmo ano, eu tive a louca idéia de cortar uma franja. Louca. Primeiramente porque meu cabelo é cacheado, e cabelo cacheado, a não ser que tenha a raiz bastante lisa, não combina com franja. Segundo que a lerda aqui cortou o cabelo quando tinha acabado de acordar, com o cabelo todo em pé, e ainda por cima, com tesourinha de unha (de unha!) cega (cega!). Já dá pra imaginar como ficou, não é? Um toquinho de cabelo, e bem na frente. Terrible.
Bem, chegou fevereiro de 2010 e o efeito do relaxamento já estava passando, então eu minha mãe fomos a um salão procurar algo que fizesse o meu cabelo baixar de volume mas sem danificá-lo, como a última química havia feito.
O cabelereiro disse que havia um tal de "agimax" (pelo menos acho que é assim que se escreve), uma química menos agressiva e que, prometeu ele, não iria alisar o meu cabelo, apenas baixar o volume, como eu queria. 
Doce ilusão! Meu cabelo alisou! Eu fiquei muito irritada, mas já que não tinha mais jeito, o que eu ia fazer, não é? E até comecei a simpatizar com o resultado, quando, uma semana depois, o efeito liso começou a sair. Eu animei, achei que meus cachos iam voltar, mas quem disse? Meu cabelo ficou num estado completamente indefinido: não era liso, não era cacheado, era simplesmente "estranho". 
Eu comecei a usá-lo com a minha "franja" (que havia crescido um pouco) para frente. Dava chapinha todos os dias na franja, e minha mãe pegou uma tesoura e consertou os fios fora do lugar. Fiquei nesse estado durante um tempão, e no finalzinho de 2010, em outubro se não me engano, dei um tratamento chamado selagem. A moça do salão disse que meu cabelo voltaria a ser cacheado com essa selagem, mas não foi nada disso. Ele ficou foi mais indefinido ainda. Nem cacheado, nem liso. 
Passou-se mais um tempinho e há dois meses atrás, em janeiro desse ano, eu disse a minha mãe que não aguentava mais aquele estado e que já que não tinha um jeito de voltar a ser cacheado, que pelo menos ficasse liso. Dei escova inteligente. E... surpresa... não alisou. Que azar, né? Pois é.
Eu não sabia mais o que fazer. Mas eu pensei muito sobre como fazer meu cabelo cachear de volta, e acabei concluindo que o único jeito era cortar, porque a única parte do meu cabelo que tinha alguma definição era a raiz, que estava cacheada. Pedi pra minha mãe pra me levar num salão de beleza, mas ela continuou insistindo que uma boa hidratação devia dar pra recuperar. Eu discordei dela, mas ela disse que não e ponto, que era pra esperar pra que ela me levasse pra fazer algum tratamento. Eu não esperei. Umas 3 semanas atrás, me tranquei no banheiro, molhei o cabelo e repiquei ele todinho, acima do ombro. Ficou ótimo e consegui o que eu queria de volta: meus preciosos cachos, dos quais eu tinha tanta saudade!
Bom meninas, contei essa história pra vocês (não só as que têm cabelo cacheado) verem que temos que nos aceitar do jeito que somos! A gente sempre acha a grama do vizinho mais verde que a nossa, mas se a gente parasse de reparar na grama alheia e olhasse mais pra própria, iria cuidar melhor dela e veria que todas as gramas têm potencial para nelas nascerem flores lindas! 
Eu sei um monte de coisas de cabelo cacheado, porque sempre procurei na internet, em revistas e em todos os lugares informações pra cuidar bem do meu cabelo. 
E todas têm que agir assim! Saber qual produto é melhor pro seu cabelo, que corte valoriza mais, que jeito de usá-lo a deixa mais bonita... independente se ele é cacheado, liso, ondulado, longo, curto, médio, loiro, castanho, preto ou ruivo!
E vamos aprender a nos valorizar hein? Esqueçam esse negócio de química e companhia. Vamos gostar mais de nós mesmas, das nossas características! Nós somos lindas como somos!
Um dia desses eu dou umas dicas aqui pra cabelos (lisos, cacheados, whatever).

Beeeeeijo!


5 comentários:

  1. O amiga, aqui nas minhas fontes(rs) estou cheia de fotos capenguinhas nossas em que você ta com o seu cacheadããããão lindo! hihi *-* Amei o post!

    bjbj, amo você!

    Bianca Fernandes =)

    ResponderExcluir
  2. "Mas então, no ano seguinte, eu mudei de colégio, e pra minha sorte, fui estudar em um lugar onde todos se aceitam como são, e aí eu me descobri e me aceitei. Ia de cabelos soltos todos os dias, e adivinha? Meus amigos só elogiavam meu cabelo! Foi a partir daí que eu comecei a não me importar mais com as críticas alheias." hahahahahaha O Oficina é foda mesmo (nesse aspecto)! ♥ Volta pra lá, bobona! Saudade :/

    Beijo,
    Alice Fagundes.

    ResponderExcluir
  3. Ooooh miga, depois me mande, perdi as minhas quando meu computador velho quebrou! Hihi. Beijo, te amo! / Lica linda! Poxa, sinceramente foi o melhor colégio que já estudei na minha vida, mas acho que não volto mais não viu! Saudade também! Beijo.

    ResponderExcluir
  4. A-do-rei!
    Tanto o blog quanto o post estão ótimos.
    E concordo, temos que valorizar nossa beleza natural e tirar proveito dela!
    Já estou te seguindo.
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  5. Yara Ignatowicz Venero8 de abril de 2011 11:53

    Oi Yara! Amei seu blog. Voce sabe que sou sua fã.Em relação ao cabelo, é importante voce evitar qualquer química. A história de se aceitar é verdadeiro. Eu tenho um cabelo indefinido, nem liso e nem cacheado, tem ondulações e pronto! Ele tem o fio bem fininho e é ralo. Se molho, dá para perceber que é pouquinho.Na minha experiência, utilizo apenas shampoo, condicionador, eventualmente shampoo anti-residuo e faço uma máscara ( que eu adoraria saber uma receita bem natural para o meu tipo de cabelo ! ).Ah! Nunca fiz uma escova ou, pintei ou coloquei alhum químico. Tenho medo. Beijos da Yara Venero.

    ResponderExcluir